Avanços e desafios do setor de aviação no Brasil

O setor de aviação no Brasil vem crescendo ano após ano. Em 2019, mesmo com a saída da Avianca do mercado brasileiro, a estimativa é de crescimento de 2 a 3%. O governo promete em 2020, corte de tarifas e taxas, que deixarão o setor mais democrático e competitivo, além de mais investimentos em infraestrutura.

Analisando os avanços e os desafios que o setor deve encarar, é possível notar um cenário positivo, que indica um futuro promissor para a aviação brasileira.

O setor de aviação no Brasil tem grande potencial de crescimento

O Brasil é um pais de proporções continentais. Por isso, é muito difícil atender todos os cantos deste país. Se analisarmos rapidamente sites que mostram os voos que estão sendo realizados ao vivo, como Flight Radar, Flight Aware, dentre outros, podemos notar que há uma boa parte do nosso território que não é coberta por linhas aéreas.

Ao fazer um comparativo com a malha aérea do Estados Unidos, por exemplo, um país próximo e com proporções continentais como a nossa, notamos que há muito mais aviões no céu americano do que no brasileiro.

Fonte da Imagem: Google

O que inicialmente pode ser um problema, representa uma oportunidade. O setor de aviação no Brasil tem uma capacidade enorme para crescimento. Não é à toa que existem empresas investindo na criação de novas linhas para o interior do país.

Iniciativa privada aumentará investimentos

Em 2019 o governo federal aprovou uma medida que libera a entrada de até 100% de capital estrangeiro para investimentos no setor aéreo. Antes os investimentos estrangeiros ficavam limitados a 20% do total. Dessa forma, com a possibilidade de que empresas de fora do nosso país coloquem mais dinheiro no setor de aviação do Brasil, é possível projetar um crescimento cada vez maior.

Em dezembro de 2019, mais uma prova da força e importância deste tipo de investimento. Foi inaugurado em São Paulo o primeiro aeroporto privado voltado para a aviação executiva do país. O São Paulo Catarina Aeroporto (SPCA) tem, inclusive, uma pista de pouso maior do que a do aeroporto de Congonhas.

Outro ótimo exemplo é o novo aeroporto de Florianópolis inaugurado em 1º de outubro. A empresa suíça Zurich Airport, que ganhou a concessão de operação total por 30 anos, logo após assumir a gestão, iniciou a reforma e ampliação do terminal de passageiros e criação de demais estruturas, totalizando R$ 570 milhões em investimentos.

Com isso, o novo aeroporto de Florianópolis passou a contar com um novo terminal, com 49 mil metros quadrados (área quatro vezes maior que o antigo terminal) e capacidade para 8 milhões de passageiros por ano. Além disso, foi criado o Boulevard 14/32, a primeira grande praça de eventos, lazer e compras entre aeroportos brasileiros.

Fonte da Imagem: Google

Estes exemplos mostram que a iniciativa privada tem interesse em investir no Brasil. O governo vem facilitando a entrada destas empresas no setor e isso se reflete em mais investimentos na área, melhoria de infraestrutura, agilidade na execução de obras, mais qualidade na prestação de serviços.

Desafios: expandir e melhorar a infraestrutura e implantar novas tecnologias

Como citado anteriormente, a malha aérea do Brasil tem grande potencial para expansão. Resta ao poder público e empresas privadas se unirem para gerenciar esta expansão, melhorando toda a infraestrutura existente, visto que, em breve, com a crescente demanda de passageiros, pousos e decolagens, muitos aeroportos ficarão defasados (como, inclusive, já vem acontecendo).

Felizmente, o cenário é animador. Nos últimos 5 anos o governo investiu na infraestrutura dos aeroportos mais do que já havia sido investido juntando os 16 anos anteriores. Nunca houve tantos investimentos e crescimento no setor.

Também precisamos investir em novas tecnologias. A Embraer, por exemplo, já fechou um acordo para iniciar a produção de aeronaves elétricas. Isso promete impulsionar ainda mais o setor de aviação no Brasil.

Com todos esses avanços e desafios, vislumbramos um cenário animador para todas as profissões envolvidas com este ramo. Profissionais especializados em cursos superiores como o de Ciências Aeronáuticas, por exemplo, se tornarão peças chaves para diversas empresas e funções.

O setor de aviação no Brasil está realmente decolando. Quem embarcar nessa agora, pode ter uma viagem agradável e cheia de boas surpresas.

Guilherme Santos é especialista em criação de conteúdo e marketing digital.
Trabalha como escritor freelancer e é apaixonado pela aviação desde o seu primeiro voo de Cesna no Flight Simulator 98.

Facebooktwitteryoutubeinstagram

Deixe uma resposta